Avançar para o conteúdo principal

As armadilhas do verbo “encarregar”


Ponderar antes de falar: o nosso conselho antes de usar verbos traiçoeiros! | Fonte: Unsplash

«É encarregado ou encarregue

Estas é daquelas perguntas difíceis, traiçoeiras, que decerto apanhará muitos de nós em falso! À primeira vista, diríamos que uma destas opções soa — como particípio passado — melhor do que a outra e, talvez, aquela que mais ‘canta’ aos vossos ouvidos até seja encarregue. Pois bem: não ouçam esse canto peçonhento.


Contudo, percebemos bem a tendência para achar que esta é a forma correcta do verbo. Afinal, por analogia com, por exemplo, o particípio passado irregular «entregue» – do verbo «entregar» –, é normal que assumamos que a lógica seria a mesma com o verbo «encarregar».

Mas não, meus caros. A língua é mesmo tramada e está sempre a trocar-nos as voltas. O verbo «encarregar» e o verbo «entregar» são dois verbos bem diferentes e os seus particípios passados também evoluíram, segundo reza a história da língua, de forma diferente.

O verbo «encarregar» forma-se a partir do verbo «carregar». Ora, nem o verbo «carregar» nem os seus ‘primos’ «descarregar». e «encarregar» têm um particípio passado irregular. Têm, sim (e apenas!), o particípio passado regular: carregado, descarregado, encarregado.

Encarregado — que significa «incumbir a alguém de uma atividade», «dar encargo a alguém» — é, pois, a forma correcta do particípio passado do verbo «encarregar». 

Assim, deve dizer-se:

1) Fui encarregada de uma tarefa hercúlea: desinfectar uma mansão.

2) O polícia foi encarregado de seguir o suspeito.

3) Vós fostes encarregados de não apunhalar a língua!

4) Nós fomos encarregados de salvar o cão daquele incêndio.

Claro que tal não invalida que para outros verbos não haja dois particípios passados: um regular e outro irregular. Sendo que, neste casos, (já sabemos mas lembramos rapidamente) o regular usa-se com os verbos auxiliares «ter» ou «haver» e o irregular é utilizado com o auxiliar «ser» (voz passiva) e com o verbo «estar».

Mas, voltando ao nosso verbo, atenção às seguintes frases que também estão correctas:

5) Que eu encarregue a Albertina das tarefas domésticas é cá comigo. Eu sou a sua mãe!

6) Embora ela me encarregue dos trabalhos de casa mais aborrecidos, é uma excelente professora.

Ou seja, nas primeiras quatro frases temos o particípio passado do verbo «encarregar» e nas frases 5) e 6) temos o presente do conjuntivo desse mesmo verbo  — e aqui sim «encarregue» é a forma correcta da primeira e da terceira pessoas do singular deste tempo e modo.

Portanto, o presente do conjuntivo de «encarregar» deve conjugar-se assim:

eu encarregue
tu encarregues
ela/ele/você encarregue
nós encarreguemos
vós encarregueis
elas/eles/vocês encarreguem

Resumindo:
  •  o particípio passado do verbo «encarregar»  é encarregado/encarregada(/s);
  •  a única forma em que se usa encarregue é no presente do conjuntivo deste verbo;

Ufa!
Digam-nos que perceberam ;)

Escrivaninha



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trás-os-Montes: o rural e o reverso

Obra de Nadir Afonso, pintor natural de Chaves. Que região tão contida no perímetro de um preconceito, bem como o povo (de buço, sem instrução) que, dizem alguns, fala a cantar e diz, dizemos, as sílabas todas: Trás-os-Montes. Sabemos já do nevoeiro no âmago do Inverno, das estradas torneadas à volta da montanha no caminho para as aldeias; das estalactites de gelo ao longo do caminho; de uma ou outra raposa, às vezes, um javali, se estivermos atentos; dos tons de castanho e de verde da paisagem. Esse, um dos lados de Trás-os-Montes. Os meus avós são a metonímia dessa ruralidade: os tempos de muito trabalho (lembro o epíteto de «bichos da palha» ganho pelo avô, Alípio, pelo seu cunhado, Arnaldo) depois da célere manhã de ceifa. Com eles, a minha avó, Zelinda, e a sua irmã, Dora (nomes que se perderão), protagonistas de histórias do trelo, o contrabando, com pouco receio dos guardas franquistas. A agricultura, o acomodar dos animais. As vacas, nomeá-las, vigiá-las no pasto. As casulas co

Londres. Paragem de autocarros. Noite.

Anoitecia cedo em Londres no mês de Janeiro. Tinha vagueado pelas ruas do centro da capital, em redor de  Piccaddilly   Circus , depois de um dia de trabalho ,  e preparava-me para voltar a casa. Os cartazes com publicidades coloridas  ofereciam -me a luz necessária para me refugiar na leitura, enquanto esperava o autocarro que me levaria de regresso ao local que me concedia o conforto de lar  —  ainda que provisório. Nas minhas mãos, a vida triste de Esther  Greenwood revelava-se, ao mesmo tempo que trazia reflexos da vida da autora. Era uma tristeza que eu não partilhava, mas pela qual inevitavelmente sentia  algum tipo de identificação . Algumas passagens remetiam-me à própria solidão que  eu  sentia  —  e que se tornaria maior com o ano ao qual eu tinha acabado de dar as boas-vindas. Foi nesse compasso de espera, embrenhado pelas palavras de  Sylvia   Plath , com a forma da voz de Esther, que  uma outra voz me transportou para lá do universo d’ A Campânula de Vidro . Dei pela prese

A omissão da consoante -s antes do pronome -nos (e de mais nenhum!)

No nosso dia-a-dia não falamos de termos como «conjugação pronominal» ou «conjugação pronominal reflexa», mas a verdade é que todos nós as usamos diariamente. A «conjugação pronominal» é o conjunto de formas flexionadas de um determinado verbo em associação aos pronomes pessoais átonos (também chamados clíticos): -me ,  -te , -lhe , -o , -a , -nos , -vos , -lhes , -os , -as , -se.  Vejamos alguns exemplos: 1) «Ele tinha um carro antigo. O meu pai comprou -o. »   -o é complemento directo (substitui «um carro antigo») 2) «Ele vendeu -nos a casa por tão pouco.» -nos é complemento indirecto (a quem se vendeu) 3) «A Maria comprou uns lindos brincos e ofereceu -mos. » -mos é complemento directo (substitui «uns lindos brincos») e indirecto (a quem foram oferecidos). 4) «Pedimos- vos que ficassem em casa...»  -vos é complemento indirecto (a quem se pediu). Quando o complemento directo ou indirecto é a mesma pessoa/objecto que funciona como sujeito da frase — veja-se o que dizem Celso